DESCOBRIR OS MEDOS MAIS PROFUNDOS DO SER HUMANO- Si somos capazes e atrevidos de investigar esta emoção, podemos nos libertar de muitas amarras (1a parte)

 MEDO. PORQUE EXISTE? DE ONDE VEM? PARA QUE O USAMOS? COMO ULTRAPASSÁ-LO?

A íntima relação que existe entre bloqueios e a possibilidade de iniciar estados de liberdade e felicidade.

Existem dois caminhos que nos permitem tomar diferentes caminhos e, estes são marcados pela atitude que adotamos perante o medo. Há quem o confronte o medo, há quem permita que os domine e estes diferentes grupos vivem um estilo de vida muito diferente.

O medo não é um problema mas sim, a atitude que tomamos perante este. Se nos tornamos livres de sentir medo, podemos fazer tudo aquilo que nos permite sentirmo-nos realizados, caso contrário viveremos no reino do medo.

O medo é uma componente do instinto protetor, mas também uma herança psicoemocional proveniente dos nossos pais e de outras gerações anteriores a nós. Este medo manifesta-se diariamente no futuro das pessoas. A diferença entre a vida das pessoas que vivem dominadas pelo medo e aquelas que o transcenderam é tão evidente que merece a nossa atenção.

Se consultarmos o Atlas do medo podemos observar que existem múltiplas formas de medo: medo da rejeição, medo da solidão. Medo da liberdade, medo de traição, medo da solidão, medo dos outros, medo de viver, medo de confiar, medo de amar, medo de não-controlar, medo do mistério, medo da doença, medo da morte…

O medo é um impulso que pode provocar reações corporais que afetam os nossos movimentos, capacidade de tomar decisões, gestos, aparência e tudo o que fazemos. Dependendo de donde vem, possui diferentes intenções.

 

Quando falamos de medo relacionado com a morte física, este funciona como um dispositivo paralisante. E condiciona-nos definitivamente a permanecer dentro de limites incapacitantes em que não podemos ser nós mesmos ou desenvolver nossa potencialidade.
Pode-se dizer que o medo é uma das emoções mais presente na vida de um ser humano. É o que sempre tem dominado milhões de pessoas. A maioria dos medos são criados pela mente que busca o poder, não gosta de ser surpreendida e, que não quer passar por situações que não pode dominar ou compreender. Para evitar esses momentos de incompreensão e falta de controlo, cria mecanismos de bloqueio que são desencadeados pelo medo.

 

Em certa medida, o medo é a garantia máxima de que o condicionamento humano não precisa ser forçado a mudar. A mensagem subjacente é: “tenha cuidado”, “não sabe o que vai acontecer”, “não se envolva no desconhecido”, “o desconhecido é perigoso e inseguro”. Neste sentido, o medo é uma pegada do passado que cria obstáculos para continuar para o futuro, garantindo a máxima segurança.Ontem eu estava dentro de um Temazcal com mais de 20 pessoas, liderado por Alberto Guzmán (um xamã mexicano). Tamazcal é uma sauna feita que serve como preparação para depois inalar a medicina natural do sapo Bufo Alvarius do Sonora Deserto. Era evidente que todo mundo estava com medo de tal situação, um momento complicado estava chegando mais perto porque é uma experiência de pico que não pode ser previsto ou imaginado antes de tê-lo e é indescritível para aqueles que tiveram. Olhei para os olhos de todos, pareciam gazelas prestes a serem atiradas na cova cheia de leões, havia um medo divino, luminoso, consciente em seus olhos… Todos tinham vindo com medo da experiência, mas apesar do medo do desconhecido, confiaram que a experiência os ajudaria muito na sua vida. E isso era visível nos olhares, um medo transcendido, um medo que não os limitava, por isso seus olhos brilhavam; O medo estava a transformar-se em pura coragem. Eles completaram a sessão de Temazcal como guerreiros espirituais, com um grito unânime que mostrou que o medo não os impedia, e anunciou o início de uma nova etapa nos caminhos. Todos inalaram a medicina do sapo, todos ligados com a parte mais profunda de si mesmos. Eu podia ver em todos e cada um deles, um cenário emocionante e chorei como um menino quando vi tantas pessoas dispostas a ir além de seus medos para entrar no infinito da liberdade. Lembrei-me de tantos momentos em que o medo não deveria ter-me impedido.
O medo é a emoção dominante numa pessoa. É o reino da razão, o poder que exerce a escravidão enquanto subjuga o indivíduo. Mas a ansia pela liberdade tem tal encanto, que não há maneira de deter uma pessoa sob as garras do medo. A escravidão é uma situação mantida porque o desejo de ser livre ainda não é forte o suficiente porque é enfraquecido pelo medo.
A morte, tal como a liberdade, é uma experiência máxima que nos coloca na frente de um novo caminho, em estágios melhores e em processos muito mais elevados. Quando surge a possibilidade de uma experiência enteógena, como tomar a medicina do sapo, que fornece uma compreensão da vida e da existência, todo o sistema psicoemocional é alertado porque sabe que está enfrentando uma situação de morte, embora não física mas sim, a morte das mentiras, das crenças absurdas, das emoções destrutivas, das dependências insalubres, que nos faz sofrer no dia-a-dia. É óbvio que para ter acesso a estágios de maior liberdade, felicidade ou prazer, precisamos passar e transcender os medos sem fundamento que tentam limitar a possibilidade de matar as partes que controlam uma vida de sofrimento.

Quando perguntámos: “Porque não ousam fazer ou decidir uma coisa que os tornaria livres ou felizes? A resposta mais comum é. “PORQUE TENHO MEDO”. Se voltarmos à origem, podemos descobrir que nossos pais tinham medo de que algo mau nos acontecesse. Os seus medos são-nos transmitidos de muitas maneiras e, em seguida, o medo de desiludi-los surge. Tudo isto está na origem dos nossos medos infundados, é por isso que em nosso Programa de Recuperação podemos remover as cordas energéticas que nos ligam aos nossos pais, de modo que só permanece o amor puro por eles e por nós, porque não é necessário guardarmos os eus medos, mas apenas a gratidão e o reconhecimento por nos terem dado vida. Muitas vezes eu pergunto nos Retiros de Evolução Interior: “O que farias amanhã se não tivesses medo?” E as respostas mostram o quanto as pessoas desejam pela liberdade, quantos desejos reprimidos, quantos projetos ocultos e como Muito ressentimento para ser bloqueado pelo medo.Podemos ter muito medo, mas pelo menos não temos medo de falar sobre o medo, de explorar suas raízes, considerar a possibilidade de sermos livres, não permitindo que domine as nossas vidas.Eu uso a coragem que os meus leitores têm de ler estas linhas para que possam mergulhar nos nós mais importantes e difíceis de desatar. Eu sinto que se abordarmos este assunto com profundidade e clareza podemos limpar uma grande quantidade de pedras no caminho para a realização pessoal.

Alberto José Varela

nosoy@albertojosevarela.com

Compartilhe

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Scroll to Top