“A AYAHUASCA NÃO É UMA DROGA LÚDICA, PELO CONTRÁRIO” Jordi Riba. (Cientista influente)

O JORNAL “LA VANGUARDIA” DE BARCELONA, ESPANHA, PUBLICA ARTIGO SOBRE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA SOBRE A AYAHUASCA.

Jordi Riba é um farmacologista, que investiga substâncias psicoativas, acaba de ser incluído na revista ‘Rolling Stone’ na lista das 25 pessoas que marcarão o futuro da ciência.

O ditado diz que ninguém é profeta nas suas terras. E muitas vezes é verdade. Isso é bem conhecido por  Jordi Riba, um farmacologista catalão que acaba de ser incluído na revista americana  Rolling Stone  na lista das 25 pessoas mais  influentes  no  futuro  da  ciência. Riba (Barcelona, ​​1968) goza de reconhecimento no exterior. “Eu dou uma média de 10/12 conferências por ano na Europa e nos EUA”, diz ele. Mas aqui, a sua pesquisa, por enquanto, não teve muito impacto. Talvez seja por causa das substâncias que ele estuda, algo exótico. Este cientista é dedicado à farmacologia do sistema nervoso central e neurociências em geral. Ele estudou  substâncias psicoactivas  que produzem mudanças na percepção e cognição, como a ayahuasca, uma espécie de bebida que os povos indígenas da Amazónia consomem desde tempos imemoriais. Graças à sua pesquisa, Riba, chefe do grupo Neuropsicofarmacologia do Instituto de Pesquisas Hospitalares de Sant Pau, revelou alguns dos  potenciais  que esta bebida esconde e ele quis partilhar com  La Vanguardia.

Como se sente quando o escolhem entre as 25 pessoas mais influentes no futuro da ciência?

Bem totalmente surpreso e estupefato. Fico feliz em pensar que existem pessoas que reconhecem o trabalho que estamos a fazer. Tenho trabalhado há 20 anos numa área pouco ortodoxa, que tem crescido muito nos últimos anos, especialmente no exterior. Precisamente, uma das coisas que eu estou feliz por ter incluído nesta lista é que isso implica que, talvez, a área em que eu trabalho seja melhor conhecida aqui. Eu tenho que dizer que no mundo da ciência há pessoas milhões de vezes melhores do que eu [risos]. Considero isso um reconhecimento sem criar pensamentos delirantes sobre as minhas habilidades.

Que responsabilidade, não é?

Não, temos que nos proteger um pouco disso. Quando cheguei aqui há 20 anos [no Hospital de Santa Creu and Sant Pau] e propus começar a estudar substâncias psicoativas para quem era chefe de farmacologia naquela época, o Dr. Manel Barbanoj, parecia interessante, era uma pessoa com uma mente muito aberta. Mas as reações que percebi à minha volta eram bastante céticas.

Segui o meu caminho, apesar do ceticismo, porque entendi que o que eu queria investigar era interessante o suficiente para prestar a minha atenção.

Os seus estudos são um pouco exóticos…

Sim, é uma área muito exótica. Se perseguir algo que não está dentro de um projeto que já está financiado, que rola sozinho, isso significa que o esforço que terá que fazer será cem vezes maior. Segui o meu caminho, apesar do ceticismo, dúvidas, possíveis críticas e vários obstáculos, porque entendi que o que eu queria investigar era suficientemente interessante para colocar a minha atenção. Mas não deixa de ser um compromisso comigo mesmo, não sinto uma responsabilidade especial por ter sido incluído nessa lista.

Como a Ayahuasca se atravessou no seu caminho?

Eu sempre tive interesse em bioquímica cerebral. Conheci trabalhos de antropólogos que estudaram ayahuasca na América do Sul. Eu li algumas das histórias e estabeleci o contato com algumas delas. Mais tarde, em meados dos anos 90 e por acaso, na vida, encontrei algumas pessoas que começaram a organizar retiros de ayahuasca na Catalunha, especialmente À volta de Barcelona, ​​que me aproximou de uma série de práticas, rituais, que vieram do Brasil e que envolve tomar uma bebida com propriedades psicoativas.

Nos anos 90, haviam grupos aqui que organizavam tomas…

Havia outro grupo nas Ilhas Baleares, outro em Madrid… Fiquei impressionado com as motivações dessas pessoas para tomar essa substância. Eu esperava encontrar um uso mais brincalhão de substâncias psicoativas, mas eu encontrei o contrário.

O que foi encontrado?

Essas pessoas encontravam-se a cada duas semanas. Eles explicaram-me, através da sua experiência subjetiva com a ayahuasca, que entraram num estado de introspecção no qual eles experimentaram toda uma série de sensações. Sobretudo, recuperação de memórias emocionais. Isso foi muito importante para eles. Ele viu que essas memórias, que às vezes aparecem sob a forma de visões semelhantes aos sonhos, ajudaram a revisitar alguns aspectos da sua biografia, e tudo sem perder em nenhum momento a consciência de que isso foi produzido pelo que eles tomaram.

Eles disseram que ajudou-os a superar situações conflituosas, traumas, que viveram ao longo das suas vidas

Curioso

Eles disseram que os ajudou a superar algumas situações conflituosas, traumas, que experimentaram ao longo das suas vidas. Vinte anos depois, a ayahuasca tornou-se extremamente popular. Agora, algumas pessoas que vêm a esse ritual são pessoas que sofrem de stresse pós-traumático, como ex-combatentes dos EUA, no Afeganistão ou no Iraque, até agora nada tem funcionado para eles. Eles continuam a ter memórias intrusivas e toda uma série de sintomas incapacitantes. Este é o movimento mais recente.

Falou-me sobre os meados dos anos 90 e o presente. Mas no meio, que tipo de pessoas consumiram esta bebida?

Pessoas que tiveram sérios problemas de dependência com a cocaína e heroína e que conseguiram deixar esse tipo de consumo após um período em que talvez tomassem entre seis a dez vezes a ayahuasca. Depois disso, decidiram deixar completamente esse caminho autodestrutivo que lideravam.

Parece incrível.

Quando eu ouço estas histórias, acho que o que eu faço parece ser capaz de ajudar alguém. Se eu tentar entender o mecanismo de ação por trás de tudo isso, posso alertar a comunidade científica a que talvez devêssemos prestar atenção a esta questão. Quando comecei, pouca atenção foi dada a estas substâncias, algo que as tornou atraentes para mim, ser um terreno desconhecido. Se tem o espírito de um investigador, isso é o que gosta de fazer.

Agora, o interesse é maior?

As portas estão a abrir-se noutros países, como a Inglaterra e os EUA. Universidades e centros de pesquisa de maior prestígio estão a estudar substâncias análogas. No meu caso, estudo a ayahuasca, o princípio ativo que produz as visões é chamado dimetiltriptamina (DMT), mas há outros estudos que foram realizados com psilocibina e também com MDMA, o princípio ativo do extasy. Verifica-se que existe toda uma série de substâncias, que tiveram uma reputação muito ruim, que se usada num contexto adequado – com um propósito específico e com uma população bem escolhida de pacientes – pode ter efeitos benéficos.

E onde localiza o ponto de viragem, na mudança de tendências?

Na descoberta, há cerca de dez anos, de um anestésico chamado cetamina que, em doses subanestéticas, produz mudanças muito intensas na percepção. Um grupo de psiquiatras nos EUA Ele viu que, administrado em determinadas doses, era um poderoso antidepressivo que atuava muito rapidamente. E agora há um boom de pesquisa deste tipo de antidepressivos, que atuam rapidamente através de mecanismos que são muito diferentes dos usados ​​em drogas tradicionais.

Eu entendi

Com antidepressivos tradicionais, leva entre três e quatro semanas até começar a melhorar alguns sintomas. Com a ayahuasca, num estudo que fizemos no Brasil, a melhora dos sintomas foi observada em poucas horas após a administração de uma única dose e o efeito foi mantido por três semanas.

Algo que foi estigmatizado como uma droga que foi consumida em ‘raves’, vemos que em alguns pacientes funciona

Surpreendente

Estes resultados foram alcançados sistematicamente com a cetamina, e isso abriu a mente para muitas pessoas. Algo que foi estigmatizado como uma droga que foi consumida em ‘raves’, vemos que em alguns pacientes funciona. O que acontece com a depressão é que existe uma porcentagem muito grande de pacientes a quem não funciona qualquer fármaco. Estamos a falar de pacientes a quem a terapia eletroconvulsiva, eletro-choque, não funcionou.

E como atua a nível cérebral?

É uma preparação bastante complexa. É uma infusão, um chá, que é obtido principalmente de uma liana, chamada ayahuasca e que dá o seu nome à bebida, que cresce na alta Amazónia (Bolívia, Venezuela, a parte mais ocidental do Brasil, Peru e Equador). Esta liana contém uma série de princípios ativos que já vimos que têm efeitos muito interessantes sobre o sistema nervoso central e que não são responsáveis ​​pelas visões. O procedimento consiste em esmagar a videira e fazer uma infusão com as folhas de outra planta. Nessas folhas há um composto, o DMT, que é muito estruturalmente semelhante à psilocibina, que é outro psíquico.

É uma preparação bastante complexa que é obtida principalmente de uma liana

Vou seguindo-o.

A psilocibina pode ser tomada por via oral, não é degradada e absorvida. Mas o DMT, se tomado sozinho, mesmo em quantidades de gramas, é completamente degradado e não atinge o sangue, o que não o afeta. O curioso é que os princípios ativos da liana bloqueiam a degradação do DMT. E pergunta-se, como pode ser que os habitantes desta área do planeta, que é um dos lugares com maior diversidade vegetal que se pode imaginar, decidiram combinar esta videira com as folhas de outra planta.

Apaixonante

A liana é muito robusta, é como um baú. Para quebrar, esmagá-la e fazer a infusão é um trabalho imenso, não é feito por acaso. Ninguém sabe como chegaram à conclusão de que esta combinação funcionaria. O que chegou à Europa e aos EUA é essa combinação, mas existem outros grupos que adicionam outras plantas que contêm outras substâncias psicoativas e que o seu consumo pode supor um maior risco para a saúde.

É preciso ter cuidado.

Muitas pessoas que querem experimentar a ayahuasca viajam para a Amazónia peruana, vão com a primeira pessoa que lhes diz ser um xamã e eles bebem o que oferecem sem saber o que estão a tomar. Pode haver, por exemplo, a escopolamina (popularmente conhecida como burundanga), que é uma substância que pode pôr em perigo a sua vida.

Voltemos às suas investigações…

Nós fizemos estudos de neuroimagem, e o que vimos é que, sob os efeitos da ayahuasca, o que acontece é uma ativação das áreas do cérebro que estão envolvidas no processamento de emoções, memória e áreas que estão na fronteira entre os aspectos cognitivos e emocionais. Há também uma certa ativação das áreas visuais, embora não seja muito marcante, por isso não temos certeza de que esse fenómeno seja responsável pelas visões.

Muitas pessoas viajam para a Amazónia peruana, eles vão com a primeira pessoa que lhes diz que ele é um xamã e eles bebem o que são oferecidos sem saber o que estão tomando

Eu entendi

O resultado final é que a pessoa está a recuperar-se tão abruptamente, de visões que tendem a conter importantes cargas emocionais. Há pessoas que, por exemplo, reviam um relacionamento com alguém que era importante na sua vida. A experiência é bastante intensa e pode ser esmagadora. Se assistir a uma sessão de fora, vê a pessoa com os olhos fechados sentados numa cadeira. Mas de repente, depois de um tempo, pode começar a chorar.

Quanto tempo pode durar o efeito?

Normalmente, depois de tomar uma dose, os efeitos começam após cerca de 45 minutos, leva muito tempo. A partir daí, há um início gradual, atingindo um efeito máximo próximo a uma hora e meia ou duas horas. Então, começa a diminuir e, após quatro ou seis horas após a ingestão, os efeitos desapareceram completamente. Também depende da quantidade que foi ingerida.

A experiência é bastante intensa e pode ser esmagadora.

Em geral, existe um consumo responsável de ayahuasca?

Dá uma pequena vertigem para ver como está a ser banalizada. Vê-se pessoas que organizam sessões de ayahuasca em todos os lugares, como aparece no “New York Times” como uma experiência na moda … Entendo que há pessoas que vão a essas sessões a pensar que passaram um bom tempo, de brincadeira não tem nada. As pessoas, após a experiência, dizem ‘uau, uau, uau!’.

Deixa uma marca…

Passei tempo a avaliar as pessoas que a consumiram e elas explicam-me que acreditam que depois das suas experiências adquirem um conhecimento útil para as suas vidas, mas que às vezes elas estão na sessão a ponto de ter a sua infusão e pensam ‘o que faço eu aqui a saber o que está por vir! Todo mundo diz que não é uma droga recreativa, pelo contrário. Se quiser fugir dos seus problemas, tomar a ayahuasca é a última coisa que precisa de fazer, porque coloca-os na frente dos seus olhos e os reexperimentas muitas vezes de uma maneira dolorosa.

Se está a procurar fugir dos seus problemas, tomar a ayahuasca é a última coisa que deve fazer.

Por outras palavras, que de droga recreativas nada.

Tem uma série de inconvenientes que o tornam desagradável. Na sua forma habitual, tem um gosto horrível, cheira mal, produz uma sensação de ardor no estômago e uma náusea praticamente imediata no momento da toma. Além disso, é bastante usual que a pessoa, depois de a ter tomado, vomite. De lúdico tem muito pouco. Se adicionar a isso, as experiências podem ser emocionais e dolorosas do ponto de vista emocional … Esta é para mim uma barreira de segurança.

Em que sentido?

Eu faço estudos com pacientes que têm problemas de vício e as pessoas que trabalham com eles dizem-me: “Está a dizer que quer experimentar em alguém que tem problemas de dependência, dando-lhe algo que contém um psicotrópica potente que possa ter potencial para abuso? ‘ Garanto-lhe que ninguém vai tomar a ayahuasca por prazer, 100% garantido.

Garanto-vos que ninguém vai tomar a ayahuasca por prazer, 100% garantido

É uma boa notícia…

Uma coisa que descobrimos recentemente é que os compostos da liana, que se pensava que só ajudavam o DMT a não se degradar, têm efeitos biológicos bastante interessantes. No cérebro adulto dos mamíferos, há uma série de nichos de células-tronco que produzem novos neurónios. Este fenómeno não recebeu muita atenção porque a taxa de produção é francamente baixa. Agora, vimos que dois dos compostos que estão presentes na videira, beta-carbolinas, têm efeitos neurogénicos muito poderosos.

Eles ajudam a gerar neurónios?

Eles estimulam a proliferação do número dessas células-tronco e a sua migração para integrar-se a circuitos cerebrais pré-existentes onde são transformados em neurónios funcionais. Estes três processos são estimulados por estes dois compostos da liana. Trata-se das conclusões de um artigo que acabamos de publicar e que deixou todos bastante surpresos, eu o primeiro.

Parece esperançoso.

Quando eu explico que há pessoas que fizeram uma mudança de vida por causa do consumo da ayahuasca, que foram imersas em depressão ou vícios e conseguiram redirecioná-la, e descrevo a experiência subjetiva que elas relacionam, encontro muitos rostos de ceticismo. Mas quando você está testando biologicamente esses compostos e observa que eles estão agindo do mesmo modo que os antidepressivos clinicamente funcionais fazem, então você tem dados que são mais facilmente transmissíveis e que podem ser melhor recebidos e aceitos pela comunidade dedicada ao tratamento. estudo de neurociências.

Parece que a ayahuasca tem muito potencial.

É muito claro que produz um efeito no nível biológico. Vimos também, fazer estudos de ressonância magnética (isto é, olhando para a estrutura do cérebro e função do cérebro), que 24 horas após o consumo da ayahuasca há uma diminuição na actividade de uma área do cérebro, o lóbulo medial parietal, que está diretamente associado ao que seria a percepção íntima de si mesmo. Em situações patológicas, que pode ter sintomas depressivos, esta área está num estado de hiperatividade, e esta hiperatividade está diretamente relacionada aos pensamentos obsessivos e  negativos.

Encontro muitos rostos de ceticismo.

Eu entendi

Se nos compararmos a outros grandes macacos (gorilas, chimpanzés, bonobos), uma das coisas que nos diferencia deles é uma grande expansão do lobo parietal medial. Há evidências crescentes de que esta parte do cérebro está possivelmente associada aos processos de autoconsciência. Um estado específico desta zona parece correlacionar-se com pensamentos de tipo negativo. Vimos que uma vez que os efeitos agudos da ayahuasca desapareceram, há uma desativação desta área.

Interessante

No nível psicológico, observamos que, após os efeitos agudos da ayahuasca, há uma diminuição na auto-avaliação negativa constante de si mesmo que certas pessoas fazem. Este é um déficit que os colegas do departamento de psiquiatria observam em muitos pacientes, independentemente do diagnóstico.

É muito claro que produz um efeito no nível biológico.

Vejo que essa substância possui muitas aplicações.

Ao falar com colegas que tratam pessoas com problemas de dependência, eles dizem-me que, para o tratamento de, por exemplo, o vício com cocaína, não há nada atualmente. Não é que não haja nada que funcione, é que eles não têm nada para lhes dar. Tudo é sintomático: se o paciente está ansioso como eles dão benzodiazepinas, se tiver sintomas psicóticos como fornecer antipsicóticos, também dar-lhes drogas que equilibram mudanças bruscas de humor … Fizemos um estudo com pessoas que foram diagnosticadas exclusivamente com o vício da cocaína e vimos mudanças na sua estrutura cerebral.

De que tipo?

A conexão e o volume das áreas do cérebro que procuram constantemente a gratificação foram reforçados e, ao mesmo tempo, observamos que as áreas do cérebro que o ajudam a avaliar uma situação e avisá-lo de possíveis perigos foram desativados. Não me surpreende, ao ver o que detectamos, é extremamente difícil para essas pessoas abandonarem o seu vício, e que há mudanças estruturais, o cérebro inteiro foi reconectado.

Vimos que, após os efeitos agudos da ayahuasca, há uma diminuição na avaliação crítica prejudicial de si mesmo que certas pessoas fazem.

Incrível

São situações muito problemáticas. Mas quando eu vejo, em paralelo, há pessoas que graças a ayahuasca, explicam-me, que conseguiram deixar os seus vícios, porque, apesar do estigma que é uma substância utilizada pelos povos indígenas, o estigma que é psicoativo, psicadélico, hippie , etc., eu sinto a obrigação de a investigar, porque se eu não fizer isso, estou a perder a minha obrigação como investigador. A maneira que eu comecei era muito solitária, de 1996 a 2005, mas, em seguida, começaram a aparecer estudos com psilosibina nos EUA, nada menos do que a melhor escola de medicina no país, Johns Hopkins.

É um centro muito prestigiado.

Há outro psiquiatra a fazer o mesmo na Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA). Além disso, a FDA, a agência norte-americana de medicamentos, deu à MDMA uma designação de terapia prioritária para tratar o stresse pós-traumático, um grande problema nos EUA, e há outro grupo no Imperial College London a fazer esse tipo de estudos… Nos EUA foi também onde foram feitas as primeiras investigações com ketamina para uso terapêutico. Quando instituições sagradas como essas começam a fazer esse tipo de pesquisa, recebe mais pessoas para prestar atenção quando fala sobre isso.

Quando vejo que há pessoas que graças à ayahuasca conseguiram abandonar os seus vícios eu sinto a obrigação de investigar isso

Antes de comentar que alguns compostos da liana têm a propriedade de gerar neurónios. Poderia ter a sua aplicação prática em doenças como a doença de Alzheimer?

Estamos longe. Somos muito cautelosos. A velocidade com que os novos neurónios produzem os nichos dentro do cérebro adulto de mamíferos é baixa. Pode estimulá-lo, mas sempre houve a questão de em que medida e se essa estimulação poderia contrariar a perda neuronal associada a uma doença neurodegenerativa. Ainda não temos a resposta para isso. O próximo passo que queremos fazer é testá-lo em modelos animais, queremos ver se podemos prevenir ou reverter os déficits cognitivos.

Se todas essas investigações que realizou não acabam por ter uma tradução terapêutica algum dia, como se vai sentir?

Comecei a estudar tudo isto porque estava muito intrigado com o seu mecanismo de ação. Eu não sou um clínico, estou muito interessado em saber como o cérebro funciona e como era possível que substâncias simples a prióri pudessem alterar de forma tão profunda a capacidade em que percebemos e pensamos as nossas emoções, bem como a percepção de nós mesmos e o nosso papel no mundo. Esse foi o meu principal interesse. Eu era o céptico número um em que estas investigações poderiam ter uma aplicação terapêutica algum dia. Não foi o meu objetivo. Mas outros viram que poderia ter, e quase tiveram que me convencer. Nesse caso, acredito que a relação risco-benefício seria totalmente justificada.

Qual o uso de saber como uma substância atua no cérebro se não tiver uma tradução terapêutica depois?

As leis de Newton são do século XVII e não se aplicaram para atingir a lua até 1969. Possivelmente Newton nunca o planeou, ele fê-lo pelo prazer de entender como a gravitação funcionou.

Pesquisa pelo prazer de conhecer…?!

Sim, basicamente, faço isso pelo prazer de saber. Passou muito longos períodos de tempo na miséria emocional, mas no dia em que obtém resultados, naquele dia sente-se satisfeito.

Um neófito no assunto, pois acho difícil entender que algo não é investigado com um propósito prático.

Então procura por isso. Este é o grande erro que está a ser feito em relação à abordagem que está sendo dada à ciência. Quando pede recursos para um projeto, eles perguntam-lhe sobre a capacidade de tradução que terá sob a forma de benefício para a sociedade. É uma visão que pode aplicar à engenharia, mas nenhuma das grandes descobertas médicas passou por um objetivo pré-estabelecido. Muitas vezes é dito, erroneamente, que algo foi descoberto por acaso.

Nenhuma das grandes descobertas médicas passou por um objetivo pré-estabelecido

Serendipity

Fleming estava com as suas culturas bacterianas e um dia, por acaso, ele foi contaminado com um fungo. Ele podia ter pegado nessa placa e dizer ‘está a contaminar-me, é ruim, limpo e continuo com a experiência’. Mas, em vez disso, ele parou e viu como não havia bactérias por onde o fungo havia crescido. E perguntou-se: “Este fungo está a impedir o crescimento de bactérias?” Mas se tivesse bloqueado Fleming até 10 anos da sua vida a dizer que “deve descobrir o antibiótico”, não teria encontrado nada.

Eu entendi

Atualmente, os poderes factuais não entendem isso, e eles querem que encontre o aplicativo já. Mas é quando você se pergunta: “Onde estão as empresas farmacêuticas mais poderosas?”. Bem, na Alemanha e na Suíça. E quando eles começaram a produzir drogas? No início do século XX. Comecei a estudar química orgânica e todos os nomes das reações tiveram nomes alemães. Por quê? Porque eles estavam a experimentar com química que era inútil durante todo o século XIX. Eles passaram uma centena de anos a descobrir que isso com o outro reagiu de tal maneira e podia obter tal coisa e, mais tarde, no século vinte, era um poder farmacêutico. Mas eles estiveram a picar pedra durante um século.

Se Fleming estivesse preso durante 10 anos da sua vida a dizer que “deve descobrir o antibiótico” não teria encontrado nada

Algo que não fazemos aqui.

Na Espanha, queremos ignorar tudo, e eles querem o aplicativo já. Está a matar a possibilidade de descobrir coisas. O que estamos a ver agora, é que muitas investigações dirigidas não levaram a nada. E muitas empresas farmacêuticas estão a deixar o setor do sistema nervoso central porque gastaram milhões em pesquisa direcionada e não encontraram nada.

Não é o caminho a seguir.

Certamente, o homem que pensou “eu vou dar ketamina a pessoas deprimidas” teve que lutar contra um estigma. “Se isso é feito pelos freaks nos ‘raves’. Quer dizer dar às pessoas uma droga “, diriam. Mas agora esse homem aparece na “Natureza” como uma ótima referência. Se eu tivesse ignorado alguns rostos nojentos que vi ao meu redor quando cheguei aqui, não teria feito nada. Mas faz isso porque há algo que o encoraja a seguir esse caminho.

Depois de estudar durante 20 anos, a ayahuasca ainda está a dar-me surpresas

Se me tivesse que definir o que a ayahuasca é em algumas frases, como o faria?

Um poço de potencial terapêutico que devemos investigar mais. Eu também diria que eu gostaria de ter mais recursos para investigar porque depois de 20 anos após ter iniciado o estudo, ela ainda está a dar-me surpresas. É a oportunidade de desenvolver medicamentos que possam ajudar pessoas que agora não têm nada para resolver o seu problema.

 

ARTIGO ORIGINAL DO JORNAL “LA VANGUARDIA”

http://www.lavanguardia.com/vida/20171219/433742427184/jordi-riba-huir-problemas-tomar-ayahuasca-ultimo-debes-hacer.html

 

COM AYAHUASCA COM UM CONTEXTO PROFISSIONAL, ESCREVER PARA:

[email protected]

[email protected]

Compartilhe

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Scroll to Top