A NOSSA OUSADIA, NÓS QUE FALAMOS EM PÚBLICO. Qual é o objetivo da neurose de dirigirmo-nos aos outros através da palavra escrita ou falada?

 

O QUE DEVO DIZER AOS OUTROS? DE ONDE VEM A NECESSIDADE DE ESCREVER OU FALAR COM OS OUTROS?

 

Uma reflexão desafiante para aqueles de nós que falam em público e escrevem para muitas pessoas.

 

Os humanos comunicam de muitas maneiras entre si a nível individual, mantemos diálogos e mensagens escritas ou de voz, mas há uma forma que vale a pena observar: quando alguém fala ou escreve para muitas outras pessoas. Oratória e escrita são ferramentas que gerem um grande poder sobre os outros e sobre si mesmo.

Ser ouvido ou lido é uma das causas mais importantes do engradecimento do ego, porque ego é exatamente o que os outros pensam, neste sentido, o meu ego é em grande parte o que os meus ouvintes e leitores pensam de mim, então eu tenho que ser muito cuidadoso com o que digo ou escrevo por que com a percepção que me chegue de si eu vou estar a reforçar ou a enfraquecer o meu ego. Então eu digo que o meu ego não é meu, mas seu, porque ele está nas suas mãos, você tem o poder de fazer o meu ego ampliar ou diminuir, dependendo do que está a produzir em si o que estou a escrever.

Quando as pessoas me escrevem para me parabenizar ou agradecer, o meu ego reage muito bem, quando é para me criticar ou desqualificar o meu ego sente-se magoado. A coisa mais interessante sobre isto é ter entendido que não sou o meu ego. Além do meu ego, descobri algo muito mais profundo e mais poderoso que vive em mim e transcende os estímulos externos; Falo da minha consciência. Esta parte de mim que me permite observar objetivamente o que sou, o que não sou e o processo no qual percebo o que não sou até chegar ao momento em que percebo o que sou. Ser capaz de observar é poder puro.

A ABSOLUTA HISTÓRIA DE FALAR E ESCREVER

Eu tenho ensinado e escrito durante décadas. A comunicação tornou-se a atividade mais notória da minha vida. No meu blog, escrevi mais de 500 artigos nos últimos 3 anos, mas a maior parte do que escrevi ainda não foi publicada; Eu ditei mais de 200 conferências nos últimos 10 anos; Atualmente, todas as semanas estou em contato com pessoas que me escrevem e com pessoas que vêm a retiros ou convenções para quem falo sobre diferentes tópicos relacionados à evolução interna. Se eu tiver esta atividade comunicativa, devo ter algo a dizer, partilhar ou entregar, ou então tenho uma enorme necessidade de ter um papel de liderança. Talvez seja ambos. Ambos vêm da mesma raiz: o meu eu. O eu inferior e o eu superior.

Quando lhe digo isto, a primeira coisa que me vem é uma grande gargalhada, porque posso ver a infinita neurose que tenho de querer comunicar aos outros. Desde que eu o faço? Qual o significado? Para mim é muito claro, e durante muito tempo percebi que, se eu não expressar o que sinto e o que entendo, posso explodir como uma bomba. Talvez este reflexo verboscópico esteja a salvar a minha vida, mas se este ato também está a contribuir com algo para alguém, parece ótimo. Na verdade, quando vejo e ouço os vídeos que filmo, posso ver como é libertador falar e escrever para os outros e, no processo, verificar se o que estou emitindo é um conteúdo que pode ser útil para os outros. Às vezes eu pareço ridículo, às vezes tenho vergonha de me ver, outras vezes vejo-me e ouço-me como se o vídeo fosse diferente e consigo aprender coisas de mim mesmo. Em suma, a tarefa comunicativa tem muitos aspectos tanto neuróticos quanto psicóticos, é como se o humano se misturasse com o espiritual no mesmo ato; Sinto que, ao abordar outras pessoas, estou a jogar para explorar a potencialidade e a limitação, tanto minha quanto a de todos. É uma tarefa altamente evolutiva, especialmente se puder ser observada a partir da objetividade da consciência.

“Ao comunicar  estou dentro de um ato evolucionário que vai além do que eu posso entender”

É por isso que eu dedico esta escrita a mim, para refletir sobre mim mesmo, e talvez eu esteja a passar material que possa inspirar os outros, seja a escrever, a falar em público, ao estar em silêncio para sempre ou parando de escrever até entrar na consciência da responsabilidade que a comunicação tem.

Diante de um público cativo das palavras que vou expressar é um momento de tremenda responsabilidade. Eu levo muitos anos a tomar consciência gradualmente do que significa falar com os outros, especialmente quando esses outros são muitos e estão todos juntos em silêncio a ouvir. Naquele momento eu pergunto-me Quem sou eu para estar aqui a falar com outros de coisas que eu supostamente eu sei e eles não? Ou o que me motiva a transmitir, incentivar, motivar ou esclarecer questões das suas vidas? Há várias respostas e todas elas vêm do mesmo ponto: o diálogo entre o que sou e o que não sou.

A NEUROSE DO DESVANECIMENTO, A RIQUEZA DE TROCAR IDEIAS :

Dirigir-nos a grupos de pessoas é um ato de coragem e ousadia, mas também tem pensamentos implícitos que temos de nós mesmos e dos outros. Em geral, podemos ver em nós que o fazemos uma certa arrogância, como se os outros fossem ignorantes, infelizes ou inconscientes; é uma neurose muito camuflada e está oculta por trás de um ato tão comum e atual no âmbito do desenvolvimento espiritual, terapêutico e humano; parece que qualquer um – mesmo profissionais, cientistas, académicos ou professores – pudessem dizer qualquer coisa para ajudar os outros, ensiná-los, informá-los ou orientá-los; Mas quem está realmente qualificado para escrever ou falar com os outros quando se trata de aspectos humanos, psicológicos, filosóficos, espirituais, sociológicos ou místicos? É suficiente saber falar em público ou saber escrever? Isto é algo que é descoberto no mesmo processo em que há quem fala e quem ouça, quem escreve e quem lê. É quando você pode apreciar a intenção dos emissores e receptores e o senso de comunicação que eles mantêm quando se encontram e se reconhecem. Quando há conexão entre as duas partes, um elo de comunicação é criado, esta é uma ponte através da qual muitas coisas que fazem sentido para ambos irão passar. Esta é uma prática cuja origem provém da história humana e que produziu um alto impacto na transmissão do conhecimento e serviu como uma ferramenta para a cura. 

Há tantas pessoas que precisam de ouvir, entender e aprender que existe um grande mercado mundial de pessoas dispostas a introduzir informações nos seus cérebros, com a fantasia de que quanto mais conhecimento elas acumulam, mais possibilidades elas terão ou mais certeza elas sentirão. Outros acreditam que quanto mais ouvirem ou lerem, mais saberão ou serão pessoas melhores; e outros fazem isto e depois repetem-no como papagaios aos outros.

Em muitos casos, pratica-se ao procurar atrair, seduzir, convencer e engordar o ego ou satisfazê-lo. Os mais bem sucedidos são aqueles que lidam com um grande volume de carisma, graça, charme e, finalmente, algum conteúdo. A profundidade e originalidade também chama a atenção de muitas pessoas que estão a pedir para serem tocadas bem lá no fundo quando ouvem ou lêm. Este é um grupo em crescimento, um novo tipo de ouvintes e leitores que têm muito claro que, se não se lhes move algo por dentro é porque não receberam nada ou perderam tempo. É algo que acontece comigo, quando olho profundamente para a comunicação, observo que, mesmo em mim quando ouço ou leio, se não me surpreender e não me acariciar por dentro com as minhas próprias palavras é impossível poder conseguir com os outros.

No ano passado, começamos a gravar aulas da Escola Consciente em que ensino quase todas as semanas em diferentes países. Portanto, é inevitável que em algum momento pare para ver dentro de mim o que estou a fazer, de onde o estou a fazer e qual é o propósito de tudo que faço no campo da comunicação com os outros. Auto-análise, autoconhecimento ou observação?

Talvez eu tenha escrito tudo isto, com a aparência de autorreflexão para dizer exatamente, que a delicadeza mais requintada desta vida é olhar para dentro, sem qualquer identificação, para ver o que fazemos, para poder dar uma olhada nas nossas atividades sem qualquer sinal de rejeição ou autocrítica, mas apenas observando.

Recuperar a inocência no olhar para si mesmo é alcançar o remédio mais poderoso para a alma.

É notável que as palavras servem para levar a reflexões que podem inspirar, motivar, descobrir e curar, eu chamo-lhes de PALAVRAS ENTEÓGENAS, porque podem ampliar a consciência daqueles que as usam tanto como de quem as consome. A comunicação humana lida com um enorme poder, quer para evoluir, quer para regredir, para libertar ou para dominar.

O QUE DEVO DIZER A OUTROS?

Absolutamente nada, a menos que a situação o peça ou me perguntem. Então, por que escrevi tudo isto? Porque existe uma circunstância que me permitiu observar a mim mesmo e na qual tive o luxo de me perguntar muitas coisas. Estou agora internado numa clínica médica à vários dias devido a um problema de saúde. Que melhor oportunidade para dar uma olhada no interior? E neste ato usar palavras para o expressar e expressar-me, para mostrar-me e mostrar-lhe, que há momentos e circunstâncias que ocultaram o grande segredo do auto-conhecimento, e são aqueles em que de repente a solidão, a dor ou um certo ambiente, nos colocam cara a cara com nós mesmos.

Quando me veio a dor na minha vesícula biliar e pâncreas tinha acabado de receber uma notícia de que um amigo que eu amo estava numa situação complicada. Ontem à noite, quando fui internado, senti uma dor tão intensa que a única coisa que me ocorreu foi dizer SIM. Então respirei fundo, entrei dentro e observei.

É por isso a minha frase favorita: “O ser humano evolui quando olha para dentro”

Ao que me diz respeito, estou a observar e sob observação médica.

Agora você é o único dentro de si. Será a sua vz de se observar

 

Alberto José Varela

nosoy@albertojosevarela.com

 

Da segunda-feira 29 à quarta-feira 31 realizo um retiro GRATUITO da Escola Consciente na minha casa em Madrid.

Reserve o seu lugar com Liana Silvey expansion@innermastery.es

Compartilhe

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Scroll to Top