ARTIGOS QUE DESARTICULAM. Algumas palavras assertivas, ouvidas por uma consciência que está a despertar, então o imprevisto acontece.

AS PALAVRAS TÊM O PODER PARA ABRIR UM PROCESSO DE TRANSFORMAÇÃO:

Entendendo a relação entre autodestruição, sofrimento e doença.

BREVE E REVELADOR TESTEMUNHO ESCRITO POR UM ALUNO DA ESCOLA CONSCIENTE:

Posso contar que há algo sobre o artigo “Desprogramar a perversão destrutiva de sofrer” , que eu li á alguns dias e causou no meu corpo umas sensações e um profundo não sei o quê.

Algumas semanas atrás eu tive o meu corpo numa situação onde ele me disse: Chega! Então deixei-me curvada, e recurri a um quiroprático que me acomodou as minhas vértebras lombares, tinha pisada a 4ª e 5ª vértebras, tinha dores nos joelhos, pés, quadris, dedos dos pés rígidos e até mesmo a mandíbula estava a torcer-se; Bem, o que dizer … Saí de lá e comecei a chorar, e entendi a perversa autodestruição que eu estava fazendo. Por quê? Porque esta situação e comportamento tem mais de 15 anos, destruição emocional e física, abandono de mim mesmo, etc … obrigada, obrigada, obrigada!

 

CORPO, REPRESSÃO, PALAVRAS E LIBERTAÇÃO:

Por que podem as palavras desencadear desconfortos corporais, bloqueios físicos e dor? Na realidade, esses desconfortos já estavam ocultos no corpo, simplesmente não lhes era permitido sentir; no futuro, eles poderiam ter-se transformado em doenças graves; eles foram reprimidos criando bloqueios de energia e sofrimento interno. No momento em que esta mulher que nos enviou a sua carta percebeu que estava tendo uma atitude negativa em relação a si mesma, o gatilho ocorreu, o corpo de repente sentiu que ela tinha o direito de se expressar, falou e disse algo brusco: BASTA! Por esta razão, foi bloqueado, mas este quadro de dor e rigidez já era anterior, só que não se manifestava no físico, mas no humor e nas emoções, servia para sofrer.

Quando uma realidade interna é vista da consciência, este resultado físico geralmente ocorre, a mente que controla tudo não pode controlar o fenómeno da consciência. Nesse momento, o corpo dá-se ao direito de expressar o que sente, então a pessoa entra na compreensão do que está acontecendo com ele. O corpo torna-se um caminho de transformação quando permitimos que ele se expresse e nós o escutemos. Embora em princípio esse desconforto interno seja transformado em dores físicas que até mesmo imobilizam a pessoa, ela é uma libertação e faz parte do processo de cura.

Esteja atento às atitudes autodestrutivas, permita que o desconforto se manifeste no plano físico e emocional e, então, compreenda a relação entre o sofrimento e a morte na vida por se recusar a desfrutar, por anular a possibilidade de ser livre, por ter esquecido escutar-nos a tempo, deixar-nos para o fim ou não nos permitir-mos ser nós mesmos.

A gratidão que surge é o resultado de perceber que não é algo que é dado de fora, mas que é algo externo que o desencadeia, neste caso, é A PALAVRA, depois de ler um artigo, às vezes é um livro ou ter ouvido algo que abre a consciência e com isso o corpo, as emoções, a expressividade também se abrem; tudo que foi fechado de repente se abre. Diante disso, não há muito a ser feito, porque todo o sistema de transformação interna começa a fazer o seu trabalho de dentro para fora a partir do momento em que a consciência começa a despertar.

É por isso que afirmo que, quando chega a hora de compreender, não há nada a fazer, estamos presos no poder da consciência, que nos faz perceber as coisas que não estão certas na nossa vida, na nossa vida, nos nossos corpos e nos nossos comportamentos.

Este é o momento para compreender a necessidade imperativa de transformação interna.

As perguntas: O que faço? Como resolvo isto? Como continuar? Não são compatíveis com um processo de evolução interior, mas sim entrar em observação sem julgamento, contemplam o que aconteceu sem rejeitá-lo, são capazes de ver a relação íntima entre o passado e o presente, e deixam a consciência criar as situações necessárias para que a transformação ocorra de forma espontânea e natural. Está a dar os primeiros passos na arte da confiança.

Meditar é uma maneira de confiar nos processos que são abertos para nos curar.

 

Alberto José Varela

nosoy@albertojosevarela.com

 

ESCOLA CONSCIENTE : Seminários, workshops e retiros para pessoas que querem se aprofundar em si mesmos, suas vidas e o que acontece com eles.

Compartilhe

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Scroll to Top