Até quando fugir do amor? As raízes misteriosas do sofrimento e distúrbios alimentares, entre muitos outros.

BULIMIA, ANOREXIA, SUICÍDIO E AUTO-DESTRUIÇÃO, O RESULTADO DE UMA RELAÇÃO DE AMOR INTERROMPIDO.

Quando a alma nos leva diretamente à solução de todo desconforto, desordem e desequilíbrio.

Estou em Milão, vim dar um retiro temático sobre as relações humanas, a questão central é a distância que nós humanos mantemos e a falta de amor que ela produz, como cortar com esse mecanismo? E estamos gerenciando a abertura à possibilidade de aproximarmo-nos a uma fonte de amor .

Ontem, sábado, quando eu estava a comer na cozinha da nossa casa em Milão com Erick e Claudia, Vitória, uma mulher jovem e muito bonita, veio ver-me, queria falar comigo. Ela faz parte da nossa organização internacional, conheço-a há dois anos e esta é a primeira vez que ela vem falar comigo sobre si mesma. Ele agachou-se na minha frente e contou muitas coisas sobre o seu processo de curar bulimia, recaídas e tudo o que acompanha esses distúrbios alimentares, então eu perguntei: você mora com pessoas que a amam?  E ela respondeu:Sim, amam. Eu moro no Epicentro da Inner Mastery de Roma, naquela comuna em que todos me amam, mas antes eu estive na Alemanha e noutras casas da organização e em todos os lugares amam-me, aaceitam-me, tratam-me bem, não posso mais, não encontro lugar onde me rejeitem ou me tratem mal, então empolga-se, olhando-me nos olhos e diz: ESTOU A FUGIR DO AMOR.

Até aquele momento eu estava comendo, mas vendo esta paisagem, rapidamente peguei no meu telefone e tirei uma foto, não queria perder esta foto, falei: obrigada por essa reunião e por essa imagem que me dás, porque me inspiras a publicar amanhã um post sobre a obsessão de fugir do amor.  Rimos e eu disse: o processo está em andamento, não tenho nada para te dizer, estás percorrendo o caminho de retorno ao teu ser e a abrir-te para receber o amor que mereces.

À tarde, todos nós fizemos um jogo de expressar anonimamente um segredo relacionado aos nossos relacionamentos, à nossa sexualidade, ao nosso parceiro, etc. Os documentos escritos eram um grande documento que mostrava sob muitas perspectivas o inexplicável sofrimento humano que advém de todos os nossos relacionamentos. Com a intenção de fazer um cocktail de histórias e perguntas, lemos todas sem saber quem era, então fiz uma síntese conceitual do que estava sendo levantado e chegamos à definição da situação coletiva como: A MINHA VIDA DEPENDE DOS OUTROS. A felicidade humana está nas mãos das relações. A soma de todos os nossos relacionamentos contém as chaves e os segredos do nosso sofrimento.

Ficamos imersos num único tópico por muitas horas: a impossibilidade de criar e manter relacionamentos satisfatórios ou permitir-nos viver relaxados e em paz, num estado de prazer.  Estamos aprofundando o desamparo que sentimos pelo fato de que em algum momento os humanos se fecharam à experiência do amor. Esta negação essencial de algo transcendente nas nossas vidas dá-nos uma conta muito alta, às vezes custa-nos a saúde e até a vida. É possível que muitas pessoas com patologias muito diferentes e outras que tiram as suas vidas tenham como ponto comum o fato de não terem sido capazes de se abrir para amar, receber e dar amor. Porque esta é a troca vital que dá sentido à vida, que nos conecta com os outros e que cria uma rede que nos sustenta, nos contém e nos leva para as alturas da felicidade.

Parece que a cura da nossa alma está relacionada à situação “inconfundível” de passar pela experiência do amor

Hoje domingo, 6 de outubro, terminamos o retiro, onde mais de 30 pessoas vieram para receber tudo o que merecem. Fizemos um processo de recuperação da dignidade, porque a inocência é a base do mérito do amor e tudo o que chega até nós e nos enche completamente.

Vamos a Roma, Madri, Marbella, Barcelona, ​​Buenos Aires, Istambul, Tel Aviv e outras grandes cidades para fazer o mesmo retiro. Esta foi a primeira de uma longa série de reuniões nas quais nos reuniremos para isso: APROXIMARMO-NOS COM CORAGEM E OUSAR AMAR.

 

Alberto José Varela

nosoy@albertojosevarela.com

Compartilhe

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Scroll to Top