DIÁLOGOS TRANSCENDENTES. A questão de um leitor: como colocarmo-nos acima das emoções?

A FELICIDADE É UM GRANDE PRESENTE QUE CHEAGA ÀS PESSOAS MADURAS.

A viajem do controlo à entrega, da resistência ao fluxo, da infantilidade à maturidade.

O Alberto perguntou-me, se na verdade, todas aquelas emoções que evitamos sentir por não transcendermos a dor, permanecem e irão permanecer conosco para sempre? Ou se as emoções podem ser geridas a partir de outro lugar, a partir da compaixão, sem julgamento? É possível viver com todas estas emoções, incluindo os personagens, sem ter que matá-los? Isto é possivel? Eu sinto que ninguém pode saber o que fazer no momento seguinte, porque cada momento é novo, e pode-se pensar que nada mais nos irá afectar. Carlos.C.

RESPOSTA: No fundo você não quer ser dominado ou humilhado pelo poder das emoções que se libertam como um tsunami dentro de si. Na verdade, as emoções não teriam que incomodá-lo tanto se tivesse o poder sobre elas e não elas sobre si. Quando as emoções o controlam, é porque não consegue observá-las sem julgamento ou rejeição; E se não pode estar ciente das suas emoções, é porque elas estão a ser usadas pelos personagens que dominam a sua vida. Cada personagem precisa de emoções para se alimentar e se ativar, elas são o combustível que coloca os personagens em movimento para interpretar o roteiro para o qual eles se destinam.

Quando tenta evitar qualquer emoção, está a negá-la, rejeitando-a, julgando-a; ousar sentir cada emoção e ser capaz de observar quão ativa a necessidade de manifestar um personagem relacionado a essa emoção é um ato de autoconhecimento profundo que pode levá-lo a colocar-se acima das suas emoções e dos seus personagens. Quando isto acontece, você recupera o poder, mesmo que isso não signifique que pare de sentir emoções ou ter personagens, mas eles não terão controlo sobre a sua vida. A infantilidade emocional afeta a maioria das pessoas que não amadurecem em relação a gerir o que sentem, então, quando as emoções chegam, são reprimidas (ativando um tipo de personagem) ou projetadas (o que ativa outro tipo de personagens). mas se você mantiver um ponto neutro de observação, pode tornar-se consciente da parte que tem gerido a sua vida.

Uma vez que se veja a si mesmo e perceba os mecanismos que têm o poder sobre si, pode mergulhar na dor que eles produzem com a pureza de uma criança inocente, transcender não é fazer uma ponte para não atravessar o rio, mas sim deixar-se levar pela corrente sem resistência, permitindo ser arrastado até nos tornarmos nele. Só nesse momento você transcende, nunca antes.

A evidente necessidade que manifesta de controlar as emoções deixa claro que você quer controlar a vida e o que acontece nela, o que criou a fantasia de que pode colocar-se num lugar onde nada o afeta; por favor, seja cuidadoso ao criar crenças de transcendência ou iluminação que lhe dêem a sensação de que superou limitações – que ainda estão vivas e a controlá-lo – ou que alcançou lugares elevados – que são verdadeiros apenas na ilusão mental. Porque a dor deve ser atravessada e não evitada. Quando resistimos à dor, temos que dedicar as nossas vidas a controlar tudo. Quando nos abrimos para a dor, estamos a abrir as comportas do prazer e da felicidade.

“A felicidade é um grande presente que vem para amadurecer as pessoas.”

 

Alberto José Varela

[email protected]

Compartilhe

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Scroll to Top