FALSO EMPODERAMENTO E A PROCURA DE REALIZAÇÃO. (2ª parte) Um passo tão necessário quanto transitório no caminho da espiritualidade.

 

QUERER VOAR É QUERER PODER. 

O profundo desejo que surge do coração humano para verificar que se pode.

DEDICADO A MARIA AMADO.

Ser livre é a única coisa que nos permite voar na dimensão autêntica do que isso significa. Aminha experiência foi me libertar quando fiquei trancado numa prisão durante 14 meses. No nôno mês de prisão, nasceu a minha liberdade, em agosto de 2009. Isto fez-me repensar tudo o que eu acreditava sobre a Liberdade, antes de pensar que ser livre era fazer tudo o que eu queria ou desejava, mas cheguei a entender tão profundamente o que é ser GRATO que a luz da minha consciência iluminou toda a prisão naquela noite, que de repente eu pude ver tudo, as paredes eram transparentes, as barras eram macias e os fios finos pendiam como uma cortina brilhante que convidavam a atravessá-los para sentir as suas carícias suaves. Eu fiz isso, fui a todos os lugares onde queria, Eu não precisava de abrir as minhas asas para voar e escapar da prisão, só tinha que passar por todos os cantos da prisão, dando todos os passos conscientemente respirando a minha realidade, observando a ilusão do que me limitava; a experiência foi reveladora e desencadeadora de ideias infinitas e canalizada do além; na verdade, eu dedico-me a transmitir tudo o que aquela noite me deu; mas naquela época eu estava fisicamente numa prisão, ela era a situação em que a minha alma escolheu ter a experiência de despertar. 

Neste momento, toda a brincadeira acaba, o desejo de ser livre, de abrir as asas ou até de voar desaparece, porque você entende que interiormente já estamos a voar ou, melhor dizendo, caindo em direção ao infinito que nunca acaba. Nunca tive a ideia de querer voar de novo, mas nos últimos anos nunca trabalhei tanto, nunca antes escrevi tanto ou fiz tantas palestras, seminários, porque entender que já estamos no auge não significa abandonar a responsabilidade, mas assumi-la de uma vez por todas

À cerca de dez anos atrás, havia gravado um CD intitulado ASAS PARA VOAR. Onde conto com a minha voz e música de fundo a experiência que tive para abrir as minhas asas para voar. Agora eu estava a dar-me conta dessa experiência necessária mas transitória de voar.

Ontem, li um comentário de um mexicano advogado que leu o meu artigo anterior sobre o falso empoderamento, está realmente esclarecendo o que importa:

O meu nome é Oscar. Por algum tempo na minha vida, eu tenho brincado para acreditar que eu podia, eu acreditava que poderia expressar, como eu podia entender, que eu acreditava que eu poderia, então eu poderia, então eu fiz muitas coisas que eu não podia, no final eu desmaiei, eu caí; Eu tive que desistir de muitas coisas.

Numa sessão de yopo, percebi que não fazia ideia de nada; Qualquer plano, qualquer estratégia, qualquer ideia, tornou-se nada. Hoje não tenho mais vontade de competir, não tenho vontade de mostrar que posso. Às vezes, negligencio e faço isso como uma reação, mas quando paro para pensar, percebo que não quero me dar ao trabalho de mostrar aos outros ou à parte de mim que precisa saber que posso.

Foi aberto um canal no qual algumas coisas são fornecidas a mim sem sequer pensar se eu posso ou não. Elas só chegam . Às vezes eu sento-me num mar infinito de intensões onde não se sabe quem irá prosperar. O que vai acontecer Dedico-me à profissão de advogado e, às vezes, tenho que enfrentar a pergunta: o assunto foi vencido ou perdido? Você pode ganhar? Às vezes não sei o que responder, às vezes respondo que não vencerei, digo que será a sua contrapartida que perde, às vezes só garanto que vou defendê-lo, dando o melhor do meu conhecimento e da minha experiência. Neste limbo e em datas recentes, tenho me sentido sozinho, querendo me apaixonar por ficar animado com alguma mulher e enlouquecer como no filme de amor.

Ao ler este artigo sobre o falso empoderamento, percebo que talvez este personagem esteja reclinado e queira ilusão. A todo custo. E talvez este desejo de se apaixonar que me invada hoje seja outra mentira. Só isso. Saudações a todos.

 

Olá Oscar, a necessidade de amar e ser amado é a parte mais sutil e sensível dessa ilusão, na qual o nosso corpo e ego querem se apegar a qualquer coisa que seja eterna no plano material, mas da nossa alma já sabemos que a experiência de O AMOR é a última fronteira em que o aparente pode continuar sendo, de repente morrer de incondicionalidade. Além do amor, não há nada, ou melhor, o TODO. Não passar pela experiência de amar com os outros é como não procurar a falsa força. É por isso que aqueles que vivem em falso poder não estão abertos ao amor. Abrir-se para amar, amar e ser amado é o leilão final do falso poder. Recentemente eu vi isso no rosto de um homem que perante os muitos presentes uma mulher declarou o seu amor. A resistência daquele homem ao AMOR, não a ela, foi a amostra do falso empoderamento em que vive.

Aqueles de nós que estão no caminho da realização e da transcendência estão a fazer de tudo para continuar dando passos e atravessando fronteiras. Parte dessa jornada de cura consiste em recuperar o poder, e é óbvio que tudo o que fazemos para recuperar o poder não o dará porque o poder autêntico não é buscado ou qualquer coisa pode ser feita para recuperá-lo, simplesmente porque ele já está lá, mas enterrado num conjunto de ideias imaginárias de quem somos e crenças de superioridade e inferioridade.

Quando, nesse processo, consideramos voar ou nos mostrar que podemos, surgem as opções de falso e necessário empoderamento. É é aí que as técnicas, métodos, práticas orientais e remédios de “poder” ajudam muito, porque nos permitem substituir crenças que geram baixa auto estima por crenças que produzem alta estima, então é quando vemos que temos asas e que podemos voar . Outra camada de ilusão.

Esta experiência é maravilhosa desde que tenhamos consciência de que deve ser transcendida, porque, caso contrário, ficaremos presos nesta crença nova e renovada de que valemos a pena, podemos e sabemos como fazê-lo. No final, a experiência de voar é reduzida à satisfação de um desejo do ego de sentir mais.

Como estou no trabalho de contar coisas que nunca havia dito sobre mim mesmo e que estou decidido a partilhar tudo, quero encerrar este artigo, dando-lhe uma orientação para que você possa considerar nas suas próximas decisões de empoderamento: “APENAS A ENTREGA INCONDICIONAL ABRIRÁ A PORTA DO PODER INTERNO ”. Entreguei-me à prisão, sendo preso, entreguei-me a tudo o que estava acontecendo, tornei-me um discípulo obediente dos desígnios da vida. O que despertou a minha consciência foi isso e nada mais que isso, a rendição do que é. Obediência ao que foi dito. ENTREGA DO MEU SER AO QUE EU TINHA DE ATRAVESSAR.

Tudo o mais que posso lhe contar é pura história. E espero que continue lendo o blog, porque eu sempre misturarei todos os tipos de contos e histórias com a essência do que é SER LIVRE.

Para isso, tenho que continuar a adormecer e acordar uma e outra vez. A limitação é adormecer para sempre, então insisto que acreditar que temos asas para voar e nos lançar numa suposta experiência sem limites é outro sonho. Se você está sonhando, espero que estas palavras o acordem. Quando está livre, como Oscar disse no México: “ Foi aberto um canal no qual algumas coisas são fornecidas a mim sem sequer pensar se eu posso ou não. Elas só chegam ”   É assim que essa reunião gradual com a essência funciona, é ativada pouco a pouco; Coisas inexplicáveis ​​começarão a acontecer, mostrando a chegada do verdadeiro poder.

 

Alberto José Varela

nosoy@albertojosevarela.com

 

Compartilhe

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Scroll to Top