MEDO, A OPORTUNIDADE DE SALTAR DA COVARDIA À CORAGEM. Crónica de um vagabundo espiritual (3)

VIVER UMA VIDA INTEIRA ESCRAVOS DE UMA EMOÇÃO?

Liberdade é a liberdade do medo de morrer.

Crónica de um vagabundo espiritual (3a parte – 7 de janeiro)

Superar o medo é o desafio mais importante a que nos podemos propor nesta vida, e mais exatamente o medo de morrer, porque é o medo supremo. Superar esse medo torna-nos livres. É quando se começa a viver.

Existem dois grupos de seres humanos. Um é composto por aqueles que têm medo, 99% da população; O outro 1% é composto de poucos, eles também estão com medo. Ambos os grupos têm o mesmo medo, parecem ser os mesmos, mas a única diferença entre os dois grupos é a atitude que têm perante ao medo. O medo não os diferencia, mas sim o que eles fazem com o medo. A. Huxley dizia: “A experiência não é o que nos acontece, mas o que fazemos com o que nos acontece”. O que faz com os seus medos?

O grupo maioritário é aquele que se bloqueia ao medo, pára, não ousa, endurece e não avança, o medo paralisa-o, esse é o grupo dos covardes, a grande maioria.

O outro grupo é diferente porque, perante o medo que uma dada situação pode dar, eles não param, não duvidam, não ficam presos, avançam; eles tremem de medo como o outro grupo, mas não param, seguem a direção do medo, passam por ele, passo a passo, vão para a escuridão do que os assusta; Estes são os corajosos, são aqueles que possuem coragem.

Um vagabundo espiritual pertence a este último grupo. Ele escolheu a alegria de viver perigosamente confiando que toda a existência estará com ele a todo momento. Ele atravessa a jornada da vida com a ideia clara de que está a viajar para a morte e que, à medida que avança, aproxima-se cada vez mais dela, é por isso que a ama, não a rejeita, aceita-a como parte da vida. Para um vagabundo espiritual a morte é o seu último e melhor amante com quem ele terá o maior orgasmo, porque com ele morrerá o que não é.

A vida é uma jornada para a morte. Desde que nascemos, começamos a aproximar-nos da morte, dia a dia, momento a momento, cada momento mais próximo. A cada passo que damos, a sombra da morte acompanha-nos e o seu consequente medo de enfrentá-la.

A essência do medo

O medo da morte não é medo da morte, mas medo da vida, não é o medo de deixar de existir, mas é o medo de não viver antes de morrer, como posso morrer se ainda não tiver vivido o suficiente? Como chegará o fim se eu ainda não tiver feito o que eu queria? Quantas vezes nos perguntamos: existe vida após a morte? Mas, por que não nos perguntamos: existe vida antes da morte? Por trás do medo da morte esconde-se outra realidade: se eu morrer sem ter vivido, desperdiçarei a oportunidade; mas se eu decidir viver, viver a vida, viver intensamente, terei que encarar a minha própria verdade, o que sou e sentir e a necessidade de ser livre para viver; É por isso que o medo de viver também esconde outro medo ainda mais profundo, é o medo da liberdade, qual será a liberdade que nos dá tanto medo? Ser livre é ser você mesmo, ser quem realmente é.

É precisamente assim que a verdade da origem de todo o medo é revelada: que por trás do medo da liberdade está oculto o medo de sermos nós mesmos. Se fosse este o caso, teríamos de enfrentar a rejeição de toda uma sociedade da qual fazemos parte e na qual aprendemos a nos prostituir pelo medo; Ao longo do processo de educação, aprendemos a mentir, a enganar, a deixar de ser autênticos, a mostrar-nos da maneira que os outros nos querem ver. Sabemos que vivemos na escravidão querendo satisfazer as expectativas dos outros, e fazemos um grande negócio baseado em satisfazer as suas expectativas para satisfazer as suas próprias expectativas: ser reconhecidos e aceites. Ser você mesmo é a coisa mais difícil que podemos propor, mas é também a chave mestra da liberdade, da vida e da superação do medo de morrer. Todos os medos colapsam no dia em que ousamos ser nós mesmos. Nesse momento corremos um risco menor: ser rejeitado ou condenado. Ser você mesmo é a grande decisão. E, embora tenhamos garantido o ataque de uma sociedade que só quer nos ver como “cordeiros normais dentro do curral”, sentiremos profunda aceitação nos nossos corações selvagens, estaremos confortáveis pela primeira vez, começaremos a aceitar e pode ser que outros se zanguem, mas na realidade não ficarão zangados conosco, mas com aquela parte covarde de si mesmos que ouvem e que os bloqueia, aquela parte que os impede de se moverem na direção da liberdade.

O medo não existe realmente, é uma invenção da nossa mente. O medo, que é originalmente instintivo e está desenhado para o afastar de situações onde se arrisque a vida, passou a tornar-se medo psicológico, o que significa que cada vez que o nosso EU está em risco de morrer, ser atacado ou rejeitado, ele é ativado e bloqueia as nossas ações que nos colocam em risco de “morrer” Osho diz: “num estado de individualidade não superamos o medo da morte, porque a única coisa é que morre é o EU.” Ele é o que não somos, mas nós seres humanos vivemos no EU por isso não sabemos quem somos e queremos que todos nos reconheçam, queremos ser aceites, aplaudidos, elogiados, e pelo menos não sermos rejeitados, esta é a nossa aspiração. Mas quando alguém transcende o seu ego e começa a saber quem é, produz-se um relaxamento no próprio Ser, porque começa a Ser, então pare de se preocupar com a fama, imagem e prestígio, já não interessa o que os outros pensam ou dizem sobre isso, você sabe quem é, não precisa de opiniões externas.

Conta a história de um místico sufi, um andarilho espiritual que um dia bateu à porta da casa de um homem muito rico, eu só queria um pouco de comida, quando o rico o viu, disse, ” aqui ninguém te conhece, como se atreve a pedir alguma coisa se eu não te conheço? O vagabundo respondeu: “Mas eu conheço-me, como seria triste se todos me conhecessem e eu não soubesse. E só pelo fato de me conhecer a mim mesmo é que posso olhar nos seus olhos e pedir a sua ajuda sem sentir vergonha e sentir-se menos do que si; você e eu estamos no mesmo caminho em direção à morte, não há diferença no nosso destino, nada nem ninguém vai parar esta realidade, mesmo que te conhecesses mais um pouco podias comprovar que tudo o que tens não te serve de nada para superares o medo de morrer “o homem rico foi surpreendido na sua fraqueza e perguntou ao vagabundo espiritual: por favor diz-me como poderia superar o medo da morte? Então o vagabundo respondeu-lhe: “Viver, apenas a viver a vida se perde o medo de morrer; você não vive, você só cuida dos seus bens, viver para acumular é estar morto na vida “.

Uma noite na selva colombiana, estavamos um grupo depois de termos cozido ayahuasca no meio da montanha, e estava escuro, não havia nada, apenas ruídos irreconhecíveis foram ouvidos, pisavamos um solo macio e imprevisível e estava com medo… estávamos cercados pelo perigo e nesse momento disse ao Taita Alfredo: quando vem sozinho aqui, o que faz quando o medo vem? E ele respondeu: O que é isso? Eu ouço muito sobre o medo lá fora, mas não sei o que é.

Estes homens que vivem na selva que desde pequenos atravessam situações mais perigosas aprendem a perceber que o medo não existe para aqueles que não param no caminho da vida. Que “o pior” com que se podem encontrar, é com a morte, mas eles consideram-na sua amiga, um novo começo para outra vida. Muitos professores concordam com isto e ensinaram-me que, para ser um vagabundo espiritual, é preciso ter coragem. Coragem significa avançar apesar do medo. Quando estes remédios antigos são tomados, há muitas pessoas a pedir para vencer ou superar o medo, mas quando a ayahauasca activa o professor interior, fala com uma voz suave e profunda que sai e responde com força, ela diz: “Eu não posso ajudar a superar o que não existe “. Esta voz que se activa é a voz da existência é a voz interior de um ser humano cheio de divindade, que à medida que avança apesar do medo, e como é cada vez mais corajosa, vê como o medo desaparece.

O covarde ouve os seus medos e o obedece, depois fica cheio de raiva que termina em violência consigo mesmo e com os outros; mas o corajoso deixa de lado os seus medos, continua, nada o impede e é assim que ele se enche de força e amor. O medo é aquele sinal que indica o caminho da liberdade. Atravessando-o desaparecerá.

Quando o medo se vai, o amor e a liberdade florescem.

Alberto José Varela

nosoy@albertojosevarela.com

Compartilhe

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Scroll to Top