QUANDO A CONSCIÊNCIA FECUNDA A POTENCIALIDADE Sobre o potencial, a essência, o ser, a presença e a conexão com o transcendente.

 

Como podemos ter consciência do que somos e valemos?

A jornada para além do que acreditamos ser.

Recebi uma carta de uma mulher que trabalha em retiros de auto-aperfeiçoamento e desenvolvimento espiritual que levanta um tópico interessante.

Estávamos conversando sobre o potencial com um amigo e colega de trabalho, porque ele fala muito sobre “presença” como uma consciência da sua própria essência, do seu próprio potencial. E ele também falou sobre a minha presença – no entanto – não tenho ideia do meu potencial ou da minha essência. Não faço ideia.

E ele disse-me que acredita que o reconhecimento do potencial deve vir de fora, que ele só agora está começando a ver o seu próprio, embora isso lhe custe e ele não tenha nada claro, porque alguém de fora o está fazendo ver …

Então, é possível ver o próprio potencial, a essência? Ou tudo isto é outra maneira de distrair o inconsciente procurando algo enquanto a consciência começa a  manifestar-se através do Ser, aproveitando que o inconsciente está distraído olhando para o outro lado?

 Pessoas que criaram uma realidade a partir do racional e intelectual, sem sentimento e coração tendo importância e um grande papel, são instaladas numa torre de controlo mental que envolve uma desconexão com a sua essência. Quando essas pessoas fazem um trabalho pessoal no qual expandem a sua consciência, começam a ter uma presença porque estão mais conscientes de si mesmas, mas isso não significa que estão conscientes do seu potencial, a primeira consciência é a consciência do eu, para poder ver a estrutura da nossa personalidade, reconhecendo que não é isso que somos, porque se olharmos para ela acreditando que somos, ficaremos presos a uma identificação maior com o que não somos; mas a consciência da essência é uma visão muito mais profunda, entra no transcendente que existe dentro de si,

A questão que surge nestas perguntas é: Como recuperar a conexão com o coração, com o sentimento ou com o meu Ser? Por estar desconectado, você não pode estar ciente do que está além da conexão. A única coisa que se pode ter quando desconectado do coração é uma leve sensação de que há algo além ou mais profundo, mas isso não significa que estamos num estado de conexão. A conectividade direta com a essência é implacável e incontestável; quando ocorre, não pode ser racionalizada, explicada ou intelectualizada, só pode ser sentida e desfrutada. Esta conexão com o transcendente também promove uma conexão com as emoções, com o corpo e, é claro, com os outros.

O tema central nestas questões é a possibilidade de se reconectar com o outro, com os outros; do amor, entrega total e coração. De fato, que o potencial não visto por si mesmo dentro de si pode ser ativado de fora pela visão externa de que alguém pode vê-lo, reconhecê-lo, apreciá-lo e valorizá-lo.

Há uma expressão muito significativa usada por esta mulher que faz a pergunta: “OLHANDO PARA OUTRO LADO” e a resposta quero terminá-la com uma pergunta – Quem está olhando para o outro lado? O inconsciente ou a pessoa que pergunta e quem está elucidando uma suposta estratégia? Olhando para o outro lado, não está querendo olhar para o centro da questão, está querendo distrair-se com qualquer coisa para evitar entrar numa conexão visual com o essencial. Esta aparência é de alguns dos personagens que estão a trabalhar para se distrair.

Quando vive uma vida em auto-engano, e ela começa a enfraquecer ou a destruir-se, de repente a verdade começa a chegar a nós; e nesse processo são ativadas resistências ou mecanismos novos e renovados que impedem que ocorra uma conexão profunda com o coração. Neste sentido, olhar para o outro lado é uma atitude muito útil para não entrar, é uma maneira elegante de continuar procrastinando, sem prestar atenção ao essencial que permite continuar no superficial.

Mas também é verdade que a essência não pode ser acedida se não for através do sentimento e da consciência, às vezes nesta ordem e às vezes na ordem inversa, mas são complementares, a abertura do coração e a expansão da consciência são Dois lados da mesma experiência de conexão.

Estar num estado de rendição, confiança e abertura é o que nos permite estar disponíveis na chegada do mistério, enfim, o que somos e o que existe no nosso ser é um mistério, a essência é algo misterioso e a conexão sensível e ciente disso é o que transformará a nossa vida.

 

Alberto José Varela

nosoy@albertojosevarela.com

 

Compartilhe

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Scroll to Top